Por que algumas empresas resistem à Transformação Digital?

Por que algumas empresas resistem à Transformação Digital?

Cerca de 60% das empresas têm alguma estratégia de Transformação Digital, de acordo com o estudo global DC FutureScape 2020.

Olhando para a realidade do continente africano, as previsões também são animadoras. As áreas prioritárias de investimento para 2020 são Computação em Nuvem, Big Data e Mobilidade, segundo o relatório Sub-Saharan Africa CIO Survey 2019

No entanto, de acordo com a Forbes, 70% dessas iniciativas não conseguirão atingir seus objetivos. Descobriu-se que a principal razão para isso é a resistência à transformação.

É paradoxal, mas reflecte a realidade. As organizações têm consciência digital, desenham estratégias, mas falham por resistir à mudança.

Porquê que isso acontece?

É o que buscamos responder ao longo deste artigo.  Continue a ler para poder entender!

O que é Transformação Digital?

Comecemos por relembrar o conceito de Transformação Digital.

Trata-se de uma mudança cultural, organizacional e operacional. Ela acontece com a integração inteligente de tecnologias, processos e competências digitais. E isso em todos os níveis e funções, e de forma estratégica.

No mundo empresarial, a Transformação Digital é bastante visível. Ela visa criar valor e novos serviços, inovar e adquirir recursos para se adaptar rapidamente à realidade globalizada e dinâmica. 

O papel da Transformação Digital nas empresas

Em síntese, a Transformação Digital desempenha um papel fundamental nas seguintes frentes críticas:

  • experiência do cliente: produtos ou serviços inovadores que fornecem interações e experiências significativas para encantar consumidores e promover fidelidade à marca.
  • experiência do funcionário: aplicações e dispositivos para facilitar a produtividade e tornar o dia-a-dia operacional mais ágil e interactivo — como o trabalho remoto, por exemplo. Dessa forma, obtém-se uma força de trabalho mais engajada e produtiva, o que é percebido pelo mercado.
  • otimização de processos: capacidade elevada de operar perfeitamente no back-end. Fluxos de trabalho simplificados, processos digitais e tarefas automatizadas geram mais eficiência e competitividade.  
  • gestão orientada por dados: um poder analítico superior dá aos gestores meios seguros e rápidos de captar, armazenar, processar e analisar dados (internos e externos), tornando a tomada de decisão mais ágil e eficiente. 

Por que ainda há empresas que resistem à Transformação Digital?

Depois de revermos todas as vantagens que a Transformação Digital potencia, torna-se difícil entender o porquê de  muitas organizações resistirem em implementá-las. 

Seguem-se as principais razões para isso acontecer:

  • erros na condução da mudança cultural: naturalmente, as novidades geram resistências nas empresas. Quando os líderes não conduzem o processo de  gestão da mudança cultural de forma aberta, transparente e coerente, a tendência natural é sentirem o seu trabalho sabotado (muitas vezes de forma inconsciente, ou não declarada).  
    • É bastante indicado trabalhar a cultura organizacional de maneira estratégica. Isso significa que os funcionários devem ser sensibilizados para o tema, sendo envolvidos na mesma, treinados e bem equipados. 
  • afinidade à maneira tradicional: muitas vezes, a resistência vem da própria liderança, que é apegada às maneiras tradicionais de trabalhar. 
    • É fundamental quebrar paradigmas e, principalmente, olhar ao redor e ver que todos os grandes players estão a  transformar-se digitalmente. 
  • visão curta de investimento: a tecnologia vista como um “gasto” também é um dos grandes vilões da Transformação Digital. Acontece em organizações onde as equipas de TI e Telecom não dialogam com os executivos de negócio; actuando de maneira reativa e pouco analítica. 
    • É importante olhar para as  soluções e serviços tecnológicos como o alicerce dos negócios modernos. Elas são tão fundamentais quanto foram as primeiras máquinas instaladas em fábricas durante a primeira Revolução Industrial. 
  • escolha errada de fornecedores: se todas as opções anteriores forem superadas, ainda corre-se o risco de errar na escolha dos provedores de aplicações e serviços. Uma parceria mal desenhada e executada pode derrubar todos os esforços culturais e de investimento.
    • É aconselhável, por exemplo, contar com fornecedores com actuação nacional. Isso para garantir que os dados são tratados de acordo com a legislação vigente. Factores como segurança da informação e suporte dedicado também são essenciais. 

Em suma, é preciso ter a certeza de que as parcerias de longo prazo firmadas com provedores de soluções e serviços de TI e Telecom sejam criteriosamente avaliadas. 

Em suma…

Melhorar processos e produtividade, fornecer melhores experiências para clientes e funcionários, gerir riscos de negócios e controlar custos… Estes são alguns dos benefícios alcançados pelas organizações que se transformam digitalmente. Aquelas que resistem a essa tendência, estão destinadas ao fracasso. 

Na sua empresa, a Transformação Digital é tratada de maneira estratégica ou ainda encontra resistências? Aprofunde-se mais sobre este tema; baixe agora mesmo o GUIA DA TRANSFORMAÇÃO DIGITAL PARA LIDERANÇAS!

Deixe uma resposta